“ODEBRECHATEANDO” a DEMOCRACIA”


“ODEBRECHATEANDO” a  DEMOCRACIA”
*Adelar Bitencourt Rozin


Estamos entre a democracia direta e a indireta ou ainda não conhecemos nenhuma ?
Estamos no meio da ditadura de esquerda e a de direita ou ainda não sabemos diferencia-lás ?
Estamos entre a democracia de esquerda e a de direita ou ainda não sabemos separá-las ?
Perguntas “bipolares” não geram respostas sãs. O que precisa ser perguntado e respondido com certeza é :  - Estar na democracia ou  ser um(a) democrata ?

Em tese, no aspecto individual, todo o poder emana do dinheiro ou da sabedoria e  no coletivo todo o poder emana do povo.

Essa tese foi corrompida pelos Fenômenos político “Odebrech” e o jurídico chamado de “delação premiada( premiadíssima ) mudaram a realidade constitucional brasiliana ou “cinzeirama” e todos os conceitos sobre democracia, políticas partidárias,  públicas, o voto, legalidade, justiça, legitimidade, ética,   foram lesados .

Esse mal que mudou nossa visão de conceitos, foi e é tão grande que permanecerá nas nossas vidas por décadas. Tão grave que até os mais fervorosos descendentes de portugueses, os militares da alta patente, os filósofos conservadores, os funcionários públicos federais estáveis, estão  abrindo a mente e os olhos sobre patriotismo cego, surdo e mudo que sustenta a manutenção do pacto federativo pelo poder em Brasília.

Historicamente, é provado que  sem sofrimento  o povo não corta as cabeças dos nobres e não busca liberdade e independência. Na França foi assim, o povo estava morrendo de fome e os nobres cada vez mais ricos e bem nutridos, fizeram tanto mal que foram retirados à força pela ira popular. Muito antes disso, há mais ou menos 2.300 anos, Aristóteles pensava que existiam três formas de governo boas e três péssimas:   respectivamente- 1. a democracia com regra constitucional legítima; 2.- a monarquia e a 3.- aristocracia  e outras três péssimas, que são a corrupção/degeneração das três primeiras, respectivamente: - democracia indireta,  tirania e oligarquia. Penso que existe somente uma forma de governo boa, a democracia direta ( sem intermediação de políticos e empreiteiras para a tomada de decisões importantes ).

Antes que cortem as cabeças dos corruptos ou a democracia se degenere completamente aqui na terra pacífica das cinzas brasilis, vivenciamos experiências maravilhosas da democracia direta ou constitucional.  Na região sul das américas, uma Associação civil, inscrita na receita federal e conhecida há 24 anos por “o Sul é meu País”,  teve a coragem de utilizar a democracia direta para defender a idéia de autodeterminação do povo por meio de plebiscito informal, plebiscito formal e projetos de lei de iniciativa popular.


Até o meados do mês de setembro de 2017 os militantes do movimento o sul é meu País e simpatizantes estarão nas Ruas, espaços públicos, nas rodas de amigos(as) e nas redes sociais, coletando ajuda e assinaturas de mais de 1% da população votante para a apresentação de projetos de leis de iniciativa popular perante as Assembléias legislativas do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, para INSTITUIR o Bloco Sulbrasileiro de integração  e cooperação  social, econômica, política, cultural e tributária formado pelos três  Estados da Região Sul do Brasil, o  Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, e a partir de outubro, o segundo projeto de lei de iniciativa popular para a realização de plebiscito oficial nos três  Estados da região sul, sobre a independência ou autodeterminação do povo sulista,  em relação a República Federativa brasileira.

As comissões de constituição e justiça das Assembléias Estaduais poderão exercer o papel difícil mas honroso ou outro mais fácil e menos honrado, negando a constitucionalidade da soberania popular e existência da democracia direta. Em um hipótese remota de se subjugarem ao poder central, caraterístico de império, não receberem ou não aprovarem os projetos, estarão negando perante o mundo civilizado e os intelectuais do direito internacional e direito  constitucional a existência do regime democrático no Brasil.

Eis a questão meus caros cidadãos sulistas ou brasileiros do sul:  - ser um(a) democrata é ter virtude de amar a liberdade, a autodeterminação e a promoção da justiça social ?  - Não, é mais um pouco do que isso, não  ser escravizado por qualquer forma de poder dominante e nem deixar que isso aconteça com seus semelhantes.  Essa atitude é a essência mais pura da Democracia direta, muito  diferente dessa democracia indireta e odebrechateada por politiqueiros e partidos.